A gota d’água em aplicativos GTK+

Não, eu não estou com a paciência esgotada!🙂 Hoje estou comemorando que um antigo erro na verificação ortográfica do gedit foi corrigido, de forma que palavras hifenizadas (“corrigi-la-ia”) ou contendo apóstrofo (“d’água”) poderão ser verificadas por inteiro pelo verificador ortográfico.

Continuar lendo

Moving to wordpress.com

Dear readers and aggregators, this blog has moved to https://leofontenelle.wordpress.com. Please update your bookmarks/favorites with urgency because the domain http://leonardof.org will expire really soon.

I wanted to spend less time worrying about keeping a blog online, and have more time for other professional and personal responsibilities, and the expiration of the domain name was the motivation to move to wordpress.com.

Too bad I didn’t get the subdomain leonardof.wordpress.com. I have much affection for “leonardof” since it became my account name at GNOME’s SVN (now Git) server.

I hope to publish some news soon, so keep reading!

Mudança

Prezados leitores e agregadores, este blog está se mudou para https://leofontenelle.wordpress.com. Atualizem seus marcadores/favoritos com urgência, pois o domínio http://leonardof.org em breve deixará de me pertencer.

É uma pena que eu não tenha conseguido o subdomínio leonardof.wordpress.com. Tenho muito carinho por “leonardof” desde que esse se tormou o nome da minha conta no SVN (hoje Git) do GNOME. Só que eu preciso dedicar menos tempo em manutenção de webapps, domínios etc, para ter mais tempo para as atribuições profissionais e pessoais.

Espero ter uma novidade em breve para contar a vocês, então não sumam!

Entrevista com a tradutora Maria Luiza Borges

Faz (muito) tempo que não traduzo software livre, mas ao encontrar esta entrevista percebi que não poderia deixar de divulgá-la. Maria Luiza X. de A. Borges é uma consagrada tradutora brasileira, e conversou com a revista Carta Fundamental sobre o processo da tradução. Confira um trecho da entrevista:

E agora, as questões do idioma. Uma tradução deve ser a mais fiel possível ao texto original?

A questão da fidelidade é complexa. Se o texto soa natural e fluente no original, deve soar assim também na tradução, o que será impossível se o tradutor ficar colado à letra do original. O que interessa é obter o mesmo efeito, ainda que por vezes seja preciso usar recursos um pouco diferentes. Mas creio que se deve ter a fidelidade possível, respeitados os limites da língua-alvo. Quanto à criatividade, seria conveniente não tentar ser mais criativo que Perrault, os irmãos Grimm ou Andersen.

Uma obra traduzida não é a obra original. É uma obra derivada da original, ou seja, o tradutor é coautor. O trabalho do tradutor precisa ser valorizado, tanto pelos devidos créditos quanto, no caso dos trabalhos comerciais, através da remuneração justa. Senão viveremos num país em que apenas as pessoas com o domínio da língua inglesa terão acesso ao conhecimento e à diversão produzidos fora do Brasil.

O projeto GNOME está no caminho certo, e tenho orgulho de fazer parte dessa trajetória.

Arch Linux se destaca entre os Favoritos 2010 do BR-Linux

Saiu o resultado da enquete Favoritos 2010 do BR-Linux. O Arch Linux foi a 3ª distribuição mais usada para desktops, e a 4ª distribuição mais usada para netbooks. O Ubuntu continua com maioria absoluta, e o Debian segue em 2º lugar. Os donos de netbook continuam preferindo o Mandriva ao Arch Linux, mas com a situação da empresa tenho minhas dúvidas sobre o futuro dessa relação.

Na minha opinião, o Arch Linux é mesmo uma das melhores distribuições para quem não quer o Ubuntu. No Arch Linux não existe esse transtorno de reinstalar o sistema a cada 6 ou 12 meses, e o repositório está sempre atualizado. Falar em backport não faz sentido algum para um usuário do Arch Linux.

Infelizmente, essa é uma distribuição para quem não tem medo de editar arquivos de configuração, e aceita que de vez em quando é necessário seguir instruções para que o sistema operacional funcione a contento. Por outro lado, esse tipo de usuário descobre que no Arch Linux esse tipo de tarefa é muito simples. Isso, junto à instalação padrão mínima, dá uma flexibilidade imensa ao sistema.

Como eu não me incomodo com a necessidade de configuração do Arch Linux, para mim o principal defeito é a escassez de pacotes nos repositórios principais. Existe um grande repositório de “receitas” para a criação de pacotes, mas compilar software não é exatamente uma atividade divertida.

A solução seria o Arch Linux ter mais desenvolvedores, mas suspeito de que, para isso, seria necessário que existissem menos distribuições, ou que coisas como o LSB funcionassem de verdade e os desenvolvedores de softwares de aplicativo fosse capazes de criar pacotes que funcionassem em todas as distribuições. Infelizmente, a (imensa) diversidade de distribuições, e a incompatibilidade entre elas, parecem que vão continuar existindo por muito tempo.

Nesse meio tempo, posso dizer que já criei pacotes para o Gentoo, o Slackware, o Arch Linux e o Debian, e que no Arch Linux é bem mais fácil que nas outras distribuições.

Favoritos do BR-Linux

Achei que não faria mal divulgar. O BR-Linux.org está fazendo uma enquete para conhecer melhor seus leitores. São poucas perguntas (eu já respondi há uma semana), abrangendo as preferências de sistema operacional e aplicativos, a forma de usar o BR-Linux, e perguntas básicas sobre o leitor, como idade e área de atuação. Quem responder estará concorrendo a um HD externo USB da HP de 500GB, e a um alicate multifuncional (14 funções) Famastil Taurus.

Visite: http://br-linux.org/2010/ajude-a-escolher-os-favoritos-da-comunidade-edicao-2010-e-concorra-a-brindes-geeks/

CGI.br: Quem são os brasileiros que usam Linux?

Li recentemente a Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias da Informação e da Comunicação no Brasil 2009, publicada pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil, e descobri que o documento traz inclusive estatísticas de sistema operacional. Em resumo, 86% das famílias brasileiras têm o Windows instalado em seu computador principal; essa proporção é de 1% para o GNU/Linux, e desprezível para Mac e outros. 13% dos entrevistados não souberam ou não quiseram responder à pergunta.

Continuar lendo