Talk is cheap

Today I’m not going to write about anything.

Today is my wedding day!

Anúncios

Como aproveitar melhor quem revisa as traduções

Sou membro da equipe brasileira de tradução do GNOME, e um dos poucos que revisam as traduções. Meu processo de revisão é cuidadoso; o problema disso é que os problemas aparecem, e corrigi-los demanda muito tempo. Muito tempo investido em uma tradução significa menos traduções revisadas e efetivadas (enviadas ao SVN), e portanto mais traduções mofando no bugzilla do GNOME. Hoje fiz duas propostas à equipe brasileira de tradução do GNOME:

Espero a opinião dos colegas de equipe na lista de discussão. E você, o que acha? Comente abaixo!

Umberto Eco on translation

Umberto Eco is best know as the writer of The Name of the Rose, but he also happens to be a respected semiotician and linguist and a prolific essayist. After writing about software translation dilemmas, I discovered Umberto Eco’s book on the translation process: Mouse or Rat? Translation as negotiation (in Italian: Dire quasi la stessa cosa: Esperienze di traduzione). This isn’t, in fact his first book on the subject. It’s the result of his experience as a translator, as a translated author, and as translation manager. He doesn’t try to write “a theory of translation”, but rather approaches a series of problems faced by translators. The book name comes from the concept that, in the translation process, one always looses something in exchange for something else. He says translation is about possible worlds. The translated work ought to produce the same effects (semantic, syntactic, stylistic, metrical, symbolic …) the original did, but to some extent all translations would be unfaithful to the original. Umberto Eco also discusses the intersemiotic translation, the adaptation of art works from a medium to another (paintings, movies, music etc.). That’s why, according to a review (in Portuguese), the book should interest not only writers, translators and researchers, but also anyone involved in theater, cinema, music etc. adaptation.

Umberto Eco escreve sobre tradução

Umberto Eco é mais conhecido como autor d’O nome da rosa, mas também é um acadêmico respeitado no ramo da semiótica e da lingüística. Depois de escrever sobre dificuldades na tradução de software, descobri o livro de Umberto Eco sobre o processo de tradução: Quase a mesma coisa (em italiano: Dire quasi la stessa cosa). Na verdade, esse não é seu primeiro livro sobre o tema; é o resultado de sua experiência como tradutor, autor traduzido e gerenciador de traduções. No livro, Umberto Eco não tenta criar uma teoria da tradução, mas aborda vários problemas do dia-a-dia dos tradutores. O livro traz o conceito de tradução como negociação, falando em mundos possíveis. A obra traduzida deveria produzir no leitor as mesmas reações que a original, mas sempre há uma margem de infidelidade. O livro também discute a tradução intersemiótica, ou seja, a adaptação de uma obra de arte entre meios de comunicação. É por isso que, de acordo com o JB Online, o livro interessa não apenas a escritores, pesquisadores e tradutores, no sentido restrito da profissão: é importante também para quem pensa em fazer adaptações em teatro, cinema, música etc. Já li alguns romances de Umberto Eco, e imagino que esse livro seja de leitura fácil, agradável e principalmente muito interessante.

Daylight saving time for Brazil, Egypt, Gaza, Iran and Venezuela

If you use GNU/Linux, BSD (Mac OS X included) or another UNIX-like OS, keep an eye on updates from the time zone and daylight saving time database. Also called zoneinfo or tz, this database is responsible for telling a computer when to adjust the clock for daylight saving time (DST) (Wikipedia article). The database was last released this August 20, but recently got a recent update on daylight saving times for Brazil, Egypt, Gaza, Iran and Venezuela. In Brazil we are about to start a new DST, so whe need to update to the next timezone-data version as soon as it’s released! Contrary to most countries, in Brazil DST starts and ends in different days every year; we can’t possibly know when will DST start next year, simply because it wasn’t decided yet! Computers hate it. If you use Windows, Palm OS etc., chances are you’ll have to adjust the clock twice as frequently: when the DST starts/ends, and when the computer thinks it starts/ends. Free software can be diffent, but for that we need really updated DST information.

Continuar lendo