Entrevista com Tiago Casal, tradutor brasileiro do Orca

O leitor de tela Orca é provavelmente um dos softwares melhor traduzidos de todos os tempos, graças aos abundantes comentários que os desenvolvedores deixam para os tradutores entenderem melhor as mensagens sendo traduzidas. No caso da equipe brasileira de tradução do GNOME, a tradução do Orca tem um ingrediente especial: Tiago Melo Casal. Além de revisar a tradução do Orca a cada lançamento, Tiago usa o aplicativo todos os dias e está em contato com vários outros cegos que usam software livre. Com certeza, uma bela forma de se fazer Garantia de Qualidade! Variando um pouco do tema deste blog, convidei Tiago Casal para uma entrevista sobre o estado atual, o histórico e as perspectivas da Acessibilidade do GNOME e outros projetos de software livre.

Começando pelo começo: Você poderia falar um pouco sobre você mesmo?

Sou Tiago, Brasileiro, nasci em 18 de Julho de 1985 em Salvador capital do Estado da Bahia. Sou cego, nasci com Retinose Pigmentar. Atualmente moro no Estado do Ceará, com minha companheira que também é cega.

Diariamente utilizo computador, Orca, GNOME e Linux.

Por volta de 2002/2003, ouvi falar em Linux, em Software Livre e Open Source, me interessei e comecei a procurar e ler na internet textos sobre o assunto. Na época, não havia para Linux recursos de acessibilidade voltados para a realidade dos cegos brasileiros, como síntese de voz (via software) em Português. Havia leitores de tela para modo texto, utilizando síntese de voz via Hardware ou utilizando Linhas Braille, equipamentos que não eram comuns no Brasil. Por outro lado, os softwares de síntese de voz em sua maioria só falavam em Inglês. Leitor de telas para o ambiente gráfico, eu desconhecia.

Comecei a utilizar o Linux com o Linvox em 2004, um projeto brasileiro que trazia num LiveCD o Linux Kurumin com o Dosvox funcionando através do WINE. O Dosvox é um conjunto de programas para cegos com síntese de voz em Português (via software), como Editor de Textos, Navegador de Internet, Cliente de Correio Eletrônico, Telnet Falado e outros programas, inicialmente era para ambiente DOS e depois passou para ambiente Windows, por isso a necessidade do WINE, eu utilizava o Shell no Linux através do Telnet Falado do Dosvox.

Em 2006 criei a lista de discussão Linvox no Yahoo Grupos, onde diversas pessoas trocam experiências sobre Acessibilidade no Linux.

A autonomia dos cegos melhorou com toda a infra-estrutura de Acessibilidade desenvolvida no GNOME, com os leitores de telas para aplicativos em GTK+, principalmente com o Leitor de telas Orca. O Orca fez a diferença e o GNOME tornou-se referência de Ambiente Gráfico Acessível. A primeira distribuição Linux que trouxe o GNOME com Orca e uma maneira simples de um cego iniciar o LiveCD, utilizar o sistema e instalá-lo sem a ajuda de alguém que enxergue, foi o Linux Ubuntu. Comecei a utilizar o Orca com voz em Espanhol em 2006, em 2007 já foi possível utilizar o Orca com fala em Português, graças ao eSpeak, software de síntese de voz com fala em diversos idiomas. De lá para cá, o GNOME e o Orca só têm evoluído, aplicativos em GTK+ têm melhorado a acessibilidade, como o Firefox que deu um grande salto em Acessibilidade com a versão 3.0.

Além do Orca, quais outras qualidades da acessibilidade do GNOME? E o que é que precisa melhorar?

No geral, o GNOME é muito acessível, com desenvolvimento ativo da infraestrutura básica de acessibilidade — ATK/AT-SPI —, do leitor de telas Orca e de outros projetos da área. Em específico para meu caso e das pessoas que não enxergam, podemos utilizar mais de 80% do GNOME em conjunto com aplicativos em [ou que interagem com] GTK2, como: Nautilus, GEdit, Editor de textos do OpenOffice/BROffice, Firefox/Iceweasel, gnome-terminal, Adobe Reader, Brasero, e outros.

A acessibilidade do GNOME está disponível para os aplicativos escritos em GTK2 e utilizando o ATK/AT-SPI, a inacessibilidade aparece quando um aplicativo é desenvolvido sem vínculo com o ATK/AT-SPI e em aplicativos antigos desenvolvidos em GTK1.2 ou anterior. Uma das maneiras de evitar que a acessibilidade seja esquecida seria embutir no GTK+ o código do ATK/AT-SPI. [Nota: o GAIL, que fazia a ponte entre o ATK, foi incorporado ao GTK+ em dezembro de 2007.]

Quão bem funciona o Orca com outros kits gráficos, como o Qt?

Por enquanto o Orca não trabalha com aplicativos em Qt, só com GTK2, PyGTK2, Java (via Java-Access-Bridge)… Talvez seja possível o Orca ler aplicativos em Qt, após os esforços que estão sendo realizados para o AT-SPI utilizar D-Bus.

Como é a acessibilidade do GNOME comparada à de outros ambientes de trabalho livres ou fechados?

Os ambientes em GTK2 se beneficiaram da infraestrutura de acessibilidade do GNOME, tais como XFCE e LXDE, mas o GNOME leva a acessibilidade “mais a sério”, se é que posso me expressar dessa forma. Por enquanto o KDE não fornece a autonomia aos cegos que o GNOME proporciona. Eu desconheço se tem Acessibilidade no Enlightenment e em outros ambientes para Unix e Linux. Não há como comparar o ambiente GNOME com o ambiente da MS, muitos dos leitores de tela para Windows são de terceiros e comerciais, o leitor de tela Narrator da MS não é bom e por isso que se utiliza os outros; comparando o que o leitor de tela Orca faz com o que o leitor de tela NVDA para Windows faz (leitor livre), penso que pulando as questões sobre as diferenças dos ambientes, eles cumprem o propósito, que é permitir o acesso as tarefas do cotidiano, como utilizar o navegador de diretórios e arquivos, navegação na internet, editores de texto, reprodução de multimídia e gravação de CD, etc. Sobre o Mac OS e seu leitor de tela, não tenho o que dizer porque não tenho experiência com Mac OS.

Você testou recentemente algum navegador da web baseado em Webkit? Como anda o suporte a WAI-ARIA?

Tentei utilizar o Google Chrome 3.0.192.0-r19969 para Linux (Webkit), mas não tive acessibilidade ao conteúdo das páginas, a dupla Orca e Firefox (Gecko) é a que está dando certo, os outros navegadores gráficos de internet que testei, sendo em GTK tem acessibilidade nos menus do aplicativo mas não tem acessibilidade na área de exibição das páginas, os em Qt por enquanto são inacessíveis.

O Orca tem suporte com o Firefox a páginas que seguem a especificação WAI/ARIA, o problema da acessibilidade na web está principalmente nos sites que não são desenvolvidos seguindo os padrões de acessibilidade como o WCAG, WAI/ARIA, e novos padrões em desenvolvimento pelo W3C. Acessibilidade é para todos, não é somente para deficientes, desenvolver um site seguindo os padrões de acessibilidade garante que todos poderão ter acesso ao site, que navegadores textuais e navegadores mais antigos iram acessar o site, todos saem ganhando!

Você estava falando do LiveCD do Ubuntu. Quais são, hoje em dia, as distribuições mais acessíveis aos cegos, tanto para uso cotidiano quanto para instalação?

Vou citar algumas distribuições Linux, sendo que eu direi sobre facilidade ou dificuldade tendo como base a utilização por cegos brasileiros, que na sua maioria não têm acesso a hardware de síntese de voz ou Linha Braille, portanto necessita de síntese de voz via software. Para iniciante, eu considero até o momento o Ubuntu a distribuição mais fácil para começar a utilizar o Linux, é possível o cego sem ajuda de alguém que enxerga utilizar via LiveCD, instalar e utilizar diariamente; outra distribuição boa é o Mandriva, também dá para utilizar pelo LiveCD, instalar e utilizar diariamente. Tem também o OpenSolaris, um Unix acessível, dá para utilizar pelo LiveCD, instalar e utilizar diariamente. Voltando para as distribuições Linux, o Fedora 11 veio com GNOME e Orca, vem com um soft de síntese de voz com uma fala em inglês, é uma voz muito boa, mas como só trouxe um idioma, o que dificulta na instalação por pessoas falantes de outros idiomas, após instalar o Fedora 11 e instalando posteriormente falas no idioma de quem está utilizando o sistema, resolve a questão, mas se já tivesse falas em outros idiomas no CD, como o software eSpeak, seria bem melhor. Um amigo testou o OpenSuSE, no geral ele gostou da acessibilidade. É possível utilizar o Slackware, mas no momento é necessário a ajuda de alguém que enxergue na instalação, até que o cego possa utilizar o sistema com algum leitor de tela de modo texto ou um gerenciador de janela em GTK2 com o Orca. Atualmente eu utilizo o Debian, por enquanto o instalador texto não tem software de síntese de voz (só síntese via hardware ou Linha Braille), mas tudo indica que está caminhando para isso na próxima versão, se realmente acontecer será um diferencial muito importante de outras distribuições. Existem e existiram distribuições Linux específicas para cegos, como o Oralux que foi descontinuado, atualmente tem algumas distribuições, mas o interessante é que as grandes distribuições integrem os recursos de acessibilidade disponíveis.

No geral, penso que qualquer distribuição que tiver instalado um software de sínteze de voz (prefiro o eSpeak porque tem fala em diversos idiomas), tiver um leitor de tela de modo texto e tendo o GNOME como gerenciador de janelas (que já vem com o Orca), já dá para um cego utilizar o sistema, dá também se o gerenciador de janelas for em GTK2 (LXDE ou XFCE, configurando algumas variáveis dá para ter acessibilidade).

Então o eSpeak tem uma opção de voz para português do Brasil? Eu ia mesmo perguntar quais são as opções de síntese de voz para brasileiros. O Dosvox, imagino, não funciona com o Orca.

Falando mais um pouco sobre o TTS (Texto para Fala) eSpeak: as regras do eSpeak para falar em português do Brasil foram implementadas pelo amigo Cleverson Uliana (em outubro/novembro de 2006), permitindo a utilização do Orca e outros leitores por mais pessoas no Brasil, antes da tradução do eSpeak para Português do Brasil utilizávamos o TTS Festival com fala em Inglês ou Espanhol, existia uma fala para o Festival em Português mas não era de fácil instalação e com a dependência de um componente extra com licença restritiva. Outro TTS com falas em Português do Brasil é o MBROLA (Banco de dados de voz BR1, BR2 e BR3), a licença do MBROLA é livre e restritiva em alguns pontos, a distribuição Oralux que foi descontinuada, vinha com fala em alguns idiomas e em Português utilizando o MBROLA. Atualmente está em desenvolvimento o Banco de Dados de Voz BR4 em MBROLA, fala conhecida como Liane TTS, em desenvolvimento pelo Serpro (Serviço Federal de Processamento de Dados) e pelo NCE/UFRJ (Núcleo de computação Eletrônica da Universidade Federal do Rio de Janeiro), é uma fala Brasileira com qualidade; também está em desenvolvimento um driver para a utilização da Liane TTS com o GNOME e o Orca, sendo testado pela comunidade com êxito; a Liane TTS também é utilizada pelo Dosvox no Windows. Se a pessoa desejar, pode utilizar o eSpeak como interface para se utilizar as falas do MBROLA, como as falas Brasileiras BR1, BR3 e até a BR4 (Liane TTS), utilizar as falas em outros idiomas do MBROLA, também as regras para o Português do Brasil foram feitas pelo Cleverson Uliana, com isso, pode-se utilizar o MBROLA via eSpeak com o Orca e outros leitores, no Linux e no Windows. Há alguns softwares de síntese de voz comerciais, cito o VoxIn por ser o melhor em minha opinião, com opções de fala em diversos idiomas e pelo valor ser barato, custa em torno de 5 euros a fala para cada idioma disponível.

O Dosvox é um conjunto de programas, é desenvolvido no NCE/UFRJ, inicialmente era para DOS e depois passou para Windows, tem uma síntese de voz própria e em Português, também pode utilizar outros TTS em SApi4 e/ou SApi5 (sistema de fala da MS), e suporta Liane TTS. Penso que existe um projeto para portar o Dosvox para Linux, mas por enquanto quem gosta do Dosvox
utiliza ele no Linux através do WINE, como é um sistema de programas com fala não há necessidade de leitor de tela para os programas do Dosvox, também como o WINE não é em GTK+ ele não é acessível para o Orca.

O que significa BR1, BR2, BR3, BR4?

É o nome dos arquivos com o banco de dados de voz para mbrola, as letras são a sigla do país e o número indica normalmente ordem cronológica de lançamento (pode ser o aprimoramento do lançamento anterior como pode ser um outro produtor que fez um novo banco de dados de voz naquele idioma). O MBROLA tem uma página com amostras em arquivos .wav dos bancos de dados de voz. As vozes do mbrola br1, br2 e br3 (masculinas) são do mesmo produtor e na prática não tem muita diferença, enquanto a br4 (feminina) está sendo desenvolvida pelo Serpro e NCE/UFRJ.

Na hora de usar o computador, existe alguma diferença entre ter nascido cego e ter-se tornado cego já quando criança ou adulto?

Para a pergunta é difícil de dar uma resposta definitiva, pois varia muito de pessoa para pessoa, depende se a pessoa gosta de computador ou tem desejo de aprender a utilizar, o grau de aprendizagem e de habilidade da pessoa, o que ela quer obter utilizando o computador; levando esses fatores em conta, penso que não há diferença se a pessoa é cega desde que nasceu ou se ficou cega, penso que a diferença está mais nas características pessoais de cada um.

Quais são as suas expectativas para o GNOME 3.0?

Espero que o GNOME continue acessível, que mais desenvolvedores contribuam para a acessibilidade ser aperfeiçoada e que a Acessibilidade seja intimamente ligada ao GNOME 3, que GNOME e aplicativos em GTK sejam sinônimos de Acessibilidade.

Você gostaria de deixar mais algum recado para os leitores do site?

Antes, gostaria de agradecê-lo pelo convite para essa entrevista, gostei de responder às perguntas, respondi de acordo com o que penso sobre os assuntos, espero ter contribuído em algo para os leitores.

Indico as seguintes páginas em português:

Acessibilidade é do interesse de todos! Parabéns a todos que fazem o GNOME! Um forte abraço a todos os meus familiares e amigos.

11 respostas em “Entrevista com Tiago Casal, tradutor brasileiro do Orca

  1. Pingback: Leonardo via Rec6

  2. Legal demais a entrevista =). Sobre WebKit, seria melhor o Tiago testar o Epiphany com WebKit; o Chromium não usa a WebKitGTK+, que já tem algum suporte ao Orca, e é a que será usada pelo Epiphany 2.28. O Chromium usam o port do WebKit do Google.

  3. Pingback: Acessibilidade: entrevista com foco na experiência dos cegos brasileiros

  4. A queda dos acentos prejudicou a pronúncia do eSpeak em todas as palavras que os usavam.
    Experimente `espeak -vpt Linguiça’ e ouça o resultado.
    O pior é que não há muitos falantes nativos no projeto, que ficou muito prejudicado.

  5. Pingback: Acessibilidade no GNU Linux -- Entrevista com Tiago Melo Casal

  6. Pingback: Ubuntu 10.04 (Lucid Lynx) Acessível | Guia da Sé e Região

  7. Pingback: Tweets that mention Entrevista com Tiago Casal, tradutor brasileiro do Orca | Leonardo Fontenelle -- Topsy.com

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s